El Chaltén Argentina, no Parque Nacional Los Glaciares

El Chaltén, Patagônia Argentina

Sobre El Chaltén

Localizado no sopé do monte Fitz Roy, também conhecido como El Chaltén, no Parque Nacional Los Glaciares na Patagônia Argentina, El Chaltén é uma vila que tem servido de base para os exploradores das montanhas e paisagens que consagraram este destino como um dos favoritos para os amantes da natureza e o trekking.

el chaltén argentina

MONTANHA FUMEGANTE

Muito antes de se tornar um destino atraente para os exploradores, a Patagônia era povoada pelos tehuelches, um grupo de aborígines nômades de grande estatura e pés enormes. Embora não haja sinais de que tenham se estabelecido em El Chaltén, foram eles que batizaram a montanha com esse nome, que na língua tehuelche significa montanha que fumega ou montanha azul.

Com a chegada gradual dos espanhóis no século XVI e a subsequente massacre dos povos originários, conhecido como “Campanha do Deserto”, os tehuelches foram perseguidos e apenas alguns conseguiram sobreviver até que, há alguns anos, foram extintos para sempre.

UMA ÁREA DE LITÍGIO

No final de 1876, o argentino Francisco Pascasio Moreno também conhecido como Perito Moreno, viajou à Patagônia movido pelo seu interesse nos povos indígenas e sua preocupação com a fronteira com o Chile. Estando lá ele percorreu toda a extensão do rio Santa Cruz e, como defensor da soberania argentina, batizou o lago que dá origem a esse rio com o nome de Lago Argentina. Ele também descobriu e batizou o lago San Martin, o lago Viedma e o monte El Chaltén, que erroneamente identificou como um vulcão e designou pelo nome de Fitz Roy. Esta viagem foi feita acompanhado por um grupo de europeus acostumados ao clima nestas latitudes, que fundaram as primeiras fazendas na área. Hoje pode ser vista nas ruas de El Chaltén a homenagem a estes primeiros e corajosos colonos que enfrentaram adversidades climáticas e outras por não conhecer o idioma.

Em 1881, Chile e Argentina assinaram um tratado conhecido como o Tratado de Limites para definir suas fronteiras nessa área da Patagônia, para resolver o conflito político causado pela delimitação de sua soberania. De acordo com este tratado, a separação entre um país e outro seria definida pelos cumes mais altos da Cordilheira dos Andes que dividem as águas. No entanto, este critério era muito difícil de implementar devido à complexa geografia da área, e as discrepâncias entre os dois países continuaram chegando até mesmo um confronto armado na área do Lago del Desierto em 1965. Um conflito que colocou na frente a disputa pela demarcação territorial.

Vinte anos depois, em 1985, por razões geopolíticas, o governo argentino decidiu fundar a cidade de El Chaltén na confluência dos rios De las Vueltas e o monte Fitz Roy, 37 km do lago onde ocorreu o confronto.

AS EXPEDIÇÕES

A partir do século XX começaram as expedições. Uma delas foi a do salesiano italiano Alberto De Agostini em 1932, cujas fotografias chegaram até Europa e despertaram grande interesse entre os alpinistas, iniciando um período de expedições esportivas na região.

Em 1937, foi criado o Parque Nacional Los Glaciares, no qual o Cerro Torre e o Fitz Roy (ou El Chaltén) foram integrados e cuja ascensão se tornou o novo desafio dos exploradores. Depois de algumas tentativas frustradas, os escaladores franceses Lionel Terray e Guido Magnone conquistaram o cume do Fitz Roy em 1952.

A FAMOSA SUBIDA AO CERRO TORRE

 

A leste do monte Fitz Roy fica o esbelto Cerro Torre. De extrema dificuldade, foi escalado pela primeira vez apenas em 1959 por Cesare Maestri, embora não deu provas suficientes de ter chegado ao topo. Em 1970 ele tentou novamente subir a parede do Cerro Torre acompanhado por uma furadeira hidráulica e um compressor para colocar as fixações na parede. Com este método pouco ortodoxo e altamente criticado, ele conseguiu subir, embora não para a parte de gelo da colina.

Finalmente, a primeira subida indiscutível ao Cerro Torre foi em 1974 pelos escaladores Daniele Chiappa, Mario Conti, Casimiro Ferrari e Pino Negri, que levaram dois meses para chegar ao topo.

el chaltén argentina

PATAGÔNIA, UM VASTO TERRITÓRIO COMPARTILHADO PELO CHILE E ARGENTINA

A Patagônia está localizada no extremo sul da América, ocupando parte dos territórios do Chile e da Argentina. É composta, principalmente, de duas grandes zonas geográficas: as Pampas e os Andes Patagônicos.

A pampa ou estepe patagônica é formada por amplas planícies cobertas de pastagens, ideais para pastoreio e atividade pecuária.

Os Andes patagônicos correspondem à seção final da Cordilheira dos Andes, interrompida transversalmente por vales, lagos, fiordes e canais de origem tectônica e geleiras. Parte do relevo andino é ocupado por enormes massas de gelo, muitas das quais pertencem ao Campo de Hielo Sur, uma das maiores reservas de água doce do mundo.

PARQUE NACIONAL LOS GLACIARES

A criação do Parque Nacional Los Glaciares deve-se à proteção de um dos remanescentes da última grande glaciação, as geleiras existentes na região, as matas nativas, os lagos, parte da estepe e uma grande biodiversidade nativa. O monte Fitz Roy é um dos pontos que determinam o limite norte do parque nacional, enquanto ao sul fica o famoso glaciar Perito Moreno.

Por sua beleza e diversidade de seres vivos, o parque foi declarado Reserva da Biosfera pela UNESCO em 1981.

EL CHALTÉN, BELEZA EXTREMA

Assentado sobre uma antiga bacia glacial, El Chaltén – localizado dentro do parque – é cercado por montanhas, lagos, florestas e vigiado pelo glaciar Viedma e pelas agulhas graníticas das colinas Torre e Fitz Roy, marcos geográficos que tornaram esta área em um destino especial para os amantes da natureza selvagem e intocada. As vistas para a natureza são impressionantes. Seu ambiente natural único é devido à zona de transição entre a estepe patagônica e a floresta subantártica.

Quanto à sua conservação, a existência de huemules, patos das torrentes e pica-paus patagônicos em total liberdade dão conta da perfeita conservação da natureza no solo, na água e na flora.

Monte Fitz Roy, símbolo da Patagônia

O Monte Fitz Roy também conhecido como Cerro Chaltén é considerado, entre os escaladores, uma das montanhas tecnicamente mais exigentes do mundo. A marca de roupas ao ar livre “Patagonia” usa a imagem do Monte Fitz Roy em seu logotipo.

Laguna Torre

Dentro do Parque Nacional Los Glaciares na Argentina, há também a Laguna Torre, uma lagoa de grande beleza cujas águas vêm do degelo das cadeias montanhosas da região e de onde se apreciam vistas magníficas e únicas do maciço. Pode-se observar perfeitamente a famosa cara leste do Cerro Torre.

Laguna Capri

A Laguna de Capri é uma lagoa de águas de cor azul e de grande beleza que se localiza entre o noroeste de El Chaltén. Da lagoa pode-se apreciar belas vistas das montanhas: Poincenot, Fitz Roy, Val de Bois, Mermoz e Guillaumet.

Laguna Los Tres

A lagoa Los Tres é outra lagoa extraordinária da qual pode-se desfrutar de vistas memoráveis para o maciço do Fitz Roy e várias das montanhas do grupo montanhoso. As imagens desde a lagoa Los Tres são espetaculares e um clássico para fotógrafos especializados, especialmente o brilho dourado das vistas do Monte Fitz Roy ao amanhecer.

Chorrillo del Salto

O Chorrillo del Salto é uma área de grande beleza. É uma cachoeira natural de grande beleza. Enquadrado nos arredores de El Chaltén, juntamente com outras rotas na área, como El Mirador del Rio de las Vueltas, El Mirador Cerro Torre, El Mirador de Las Águilas e El Mirador de Los Cóndores fazem de El Chaltén um paraíso para a aventura, o trekking e a natureza.

Los Huemules

É uma área de extrema beleza geológica e com uma flora excepcionalmente representativa da flora patagônica. Ela se estende da extremidade boreal da lagoa Cóndor até o lado sul da lagoa Diablo. Tem uma área de 5800 hectares com montanhas, geleiras, florestas de Ñire e Lenga, lagos, lagoas e rios.

el chaltén argentina

RESERVA NATURAL LOS HUEMULES

Esta reserva natural está localizada a 17 km de El Chaltén, na qual nosso hotel está localizado. Esta iniciativa privada nasceu com a missão de conservar e proteger o patrimônio ambiental, histórico e cultural da região. Possui 5.800 hectares de campo, onde uma das principais preocupações é preservar o ambiente mágico e único em que está situado. Por esse motivo, suas florestas, flora e fauna se desenvolveram em total harmonia com o crescimento da reserva.

Los Huemules tem cerca de 25 quilômetros de trilhas demarcadas e uma vista da atração mais importante do setor: o Monte Fitz Roy. Além disso, no interior estão as geleiras Gorra Blanca e Marconi, que atravessam a última geleira até o campo de gelo do sul da Patagônia, a terceira maior reserva de água potável do mundo depois da Antártica e da Groenlândia.

A fauna que pode ser vista aqui inclui condores e huemules, o pato torrente, o carpinteiro de Magalhães, a raposa vermelha e até o puma. Rodeado de lengas e florestas nativas, através dos diferentes caminhos que os viajantes podem se maravilhar com o aparecimento de lagoas naturais no meio de sua exploração, uma paisagem típica deste lugar primitivo.

Outros destinos de explora

Subscreva a explora News. Receba nossas notícias todos os meses.