O explorador Hiram Bingham e Machu Picchu

Hiram Bingham

Hiram Binghman (Honolulu, 1875-1956) foi um acadêmico, explorador, militar e senador norte-americano considerado o descobridor de Machu Picchu.

Hiram Bingham

Seu primeiro contato com a história da América Latina foi em 1900 na Universidade da Califórnia em Berkeley, onde estudou. Seu primeiro grau “B.A” (bacharel) foi obtido na Universidade de Yale e mais tarde, ele obteve um doutorado na Universidade de Harvard em 1905.

Em 1911, ele visitou Machu Picchu pela primeira vez, embora não tenha tornado público até que obteve financiamento da Universidade de Yale e da National Geographic Society para retornar a Machu Picchu em 1912, 1914 e 1915.

Em 1913, ele publicou a descoberta na revista National Geographic Society com fotografias tiradas por ele mesmo. Naquela época, a descoberta de Machu Picchu se torna popular e ele se torna uma celebridade mundial. Em 1948, ele publicou seu trabalho mais famoso: “A Cidade Perdida dos Incas”, que se tornou um best seller desde a sua publicação.

Hiram Bingham, o exploradorHiram Bingham, o explorador

Hiram Bingham não era arqueólogo. Nem havia praticado arqueologia antes. Ele era um explorador que estava fascinado com a história da América Latina.

Sua obsessão por esse território foi consolidada em 1908, quando viajou a Santiago do Chile para participar do Congresso Científico Pan-americano. Em seu retorno aos Estados Unidos, ele parou em Lima, onde foi convencido a visitar a cidade de Choquequirao.

Bingham tinha o espírito de um explorador e estava obcecado com a possibilidade de encontrar antigas cidades Inca inexploradas. Assim, em 1911 ele fez sua primeira viagem ao Peru com o objetivo de descobrir a última capital do Império Inca.

Machu Picchu

Machu Picchu se tornou a maior atração turística da América Latina. Este monumento arqueológico é conhecido em todo o mundo. Bingham foi reconhecido como a primeira pessoa que gerou a atenção mundial que o lugar merecia.

Na verdade, Bingham estava procurando a cidade de Vilcabamba e não Machu Picchu. Disseram-lhe que era a verdadeira capital oculta do Império Inca. Sabia-se que havia uma cidade escondida que foi a última habitada pelos Incas em torno de Cusco, mas não se sabia onde estava.

Em julho de 1911, instalou-se no Vale Sagrado dos Incas e, com vários guias locais, avançou pelo vale através da selva. Ele estava acompanhado por Melchor Arteaga, um peruano conhecedor da zona e dois missionários britânicos; Thomas Payne e Stuart McNairn. Vários exploradores de Cusco também fizeram parte da expedição: Enrique Palma, Gabino Sánchez e Agustín Lizárraga, que disseram conhecer o lugar.

O Vale Sagrado dos Incas era habitado pelos incas, décadas antes de Machu Picchu. Prova disso são os vestígios de Pucaras (fortificações) e Tambos (locais de descanso entre a longa rede de estradas do Império Inca) que se encontram ao longo da cordilheira de Vilcabamba. Naquela época, Bingham provou a importância desta área por as centenas de ruínas e vestígios da vida do Império Inca que existem no Vale Sagrado.

Melchor Arteaga só falava Quechua, mas ele conseguiu levá-los para o lugar que ele tinha entendido que eles estavam procurando. Os habitantes do lugar o chamavam “Machu Picchu”, que traduziu para o portugués é “montanha velha”, provavelmente alusiva aos seus antigos habitantes. É por isso que Hiram Bingham achava que o que ele tinha encontrado era Vilcabamba, que ele chamava de “A Cidade Perdida dos Incas” e não Machu Picchu.

Quando chegaram a Machu Picchu, Hiram Bingham logo percebeu a espetacular descoberta que ele havia feito. Uma cidade, que é um exemplo extraordinário de engenharia e arquitetura, totalmente desconhecido no mundo ocidental naquela época.

Hiram Bingham ficou surpreso com essa cidadela como pode ser deduzido deste extrato do autor em 1913:

 “O caráter superior da obra de pedra, a presença desses edifícios esplêndidos e do que parecia ser um número extraordinariamente grande de moradias de pedra finamente construídas, levaram-me a acreditar que Machu Picchu poderia ser a maior e mais importante ruína descoberta na América do Sul desde os tempos da conquista espanhola. ”

E ele estava certo, até hoje milhares de pessoas admiram diariamente Machu Picchu.

A expedição limpou as ruínas de ervas daninhas, estudou a área e fez fotografias que foram posteriormente publicadas pela revista National Geographic Society. Hiram Bignham foi um grande divulgador de Machu Picchu.

Polémica por anos adiada

No entanto, anos depois, descobriu-se que Hiram Bingham levou ilegalmente centenas de peças arqueológicas à Universidade de Yale e levou outras para as coleções particulares dos patrocinadores de suas expedições. Em 2008, o governo do Peru exigiu o retorno ao governo dos EUA de umas 40 mil peças arqueológicas extraídas irregularmente do lugar.

Aparentemente, Hiram Bingham extraiu as peças antes de tornar a descoberta conhecida e tornou-a pública quando não havia mais nenhuma peça no lugar. Esta prática era muito comum entre os exploradores europeus dos séculos XIX e XX no Egito, Grécia e Mesopotâmia, as grandes civilizações do mundo antigo.

Ainda hoje, essas peças podem ser encontradas nos principais museus europeus, como o British Museum ou o Louvre. As peças não são devolvidas, apesar das reivindicações dos países de que são originais.

O caso de Hiram Bingham e Machu Picchu ainda está em litígio. A Universidade de Yale concordou em devolver ao Peru as peças que tinha, mas vários arqueólogos apontaram que há muitas outras peças que estão nas mãos de particulares.

Descobertas anteriores para Machu Picchu

Hoje sabemos que antes de Hiram Bingham havia exploradores ocidentais que conheciam a cidade, mas não divulgaram sua existência.

Os missionários britânicos que acompanharam Bingham disseram que eles já haviam estado por lá em 1906. Um explorador alemão chamado Augusto Berns comprou terras muito perto de Machu Picchu, ele disse que foi por causa da importância das ruínas do lugar em 1860. E há um mapa de 1874, que inclui o desenho da famosa cidadela.

A revista National Geographic atualmente proclama Hiram Bingham, na expedição financiada por eles como o redescubridor de Machu Picchu.

Luta entre americanos e británicos

O século XIX foi o século das descobertas. Grandes civilizações foram descobertas por exploradores europeus. Muitos deles não eram arqueólogos ou historiadores, mas eram amantes do desconhecido, da história e das civilizações antigas mais avançadas da humanidade.

A exploração de lugares remotos foi uma enorme fonte de aventuras e avanços no conhecimento científico. Os exploradores eram admirados e respeitados no mundo ocidental. Lord Carnarvon tornou-se uma celebridade mundial pelo financiamento e participação ativa na descoberta do túmulo de Tutakamon no Vale dos Reyes, no Egito.

As explorações de civilizações antigas tornaram-se uma atividade desejada por britânicos, italianos, franceses e alemães que competiam entre si para descobrir civilizações desconhecidas e monumentos arqueológicos, bem como para buscar fama e respeito mundial.

No entanto, os Estados Unidos chegou atrasado a essa corrida pelas descobertas. Hiram Bingham foi a primeira estrela americana nessa corrida dominada pelos britânicos. Suas descobertas foram publicadas e altamente valorizadas nos Estados Unidos, levando o personagem à categoria de celebridade.

Indiana Jones

Não se pode garantir que o personagem de Indiana Jones tenha sido inspirado por Hiram Bingham, no entanto, existem muitas semelhanças entre realidade e ficção.

Nenhum deles era arqueólogo ou historiador, eles eram exploradores. Ambos estavam procurando por uma antiga civilização na selva. No primeiro filme, Indiana Jones procurou “a arca perdida” enquanto Bingham procurava “a cidade perdida”.

O aspecto físico da personagem também era similar às fotos mais famosas que se conservam de Bingham, alto, com chapéu, botas e cheio de pó. Ambos os personagens perseguiram a descoberta de vestígios do passado com verdadeira paixão.

Senador Hiram Bingham

Dez anos após a descoberta de Machu Picchu, Hiram Bingham se interessou por política. Era muito popular nos Estados Unidos ajudado pela fama que ele tinha pela descoberta de Machu Picchu

Em 1922, ele foi eleito tenente regulador de Connecticut. Em 1924 ele renunciou à sua posição para substituir um senador dos Estados Unidos cuja posição se tornara vaga. Em 1926 ele foi reeleito senador. Ele morreu em 1956.

Destinos de explora

Subscreva a explora News. Receba nossas notícias todos os meses.