7 animais que você encontrará em Atacama e na Patagônia
Noticias
agosto 27, 2018

7 animais andinos que você encontrará em Atacama e na Patagônia

Fonte: Ladera Sur

Apesar de abrigar um clima e ecossistemas muito diferentes, o desierto de Atacama e a Patagônia compartilham diferentes espécies de animais, que em muitas ocasiões surpreendem o visitante. Hoje, convidamos você a conhecer sete espécies nativas que se repetem em ambos os extremos do país.

Se tentássemos encontrar duas das paisagens mais contrastantes na vasta geografia de nosso país, muitos provavelmente concordariam que entre o desierto de Atacama e a Patagônia chilena há uma diferença incrível. Não apenas os separam milhares de quilômetros de distância, mas também enquanto o primeiro domina um clima desértico com escassas chuvas e vegetação, no segundo as baixas temperaturas com clima temperado e uma paisagem cercada por geleiras, fiordes e canais.

Mesmo assim, ambos os ecossistemas compartilham algumas semelhanças: são ambientes hostis com temperaturas extremas, com as quais as diversas espécies que vivem lá devem lidar. E dentro destes, vários se repetem em ambas as extremidades do país, demonstrando sua grande capacidade de adaptação ao meio ambiente.

Descubra sete espécies de animais que você poderia encontrar em suas viagens para lugares como San Pedro de Atacama e seus arredores, e o Parque Nacional Torres del Paine, que, além de viver nos mesmos ambientes, estão intimamente ligados uns aos outros como presas ou caçadores.

Vizcacha

Vizcacha©Kevin Baird

Pode parecer um primo distante e extravagante do coelho, mas na realidade os vizcachas estão mais relacionados com as chinchilas. Este roedor, que costuma desfrutar dos raios solares em uma rocha, é abundante no Atacama e vive entre 800 e 4.000 metros acima do nível do mar nos Andes, em encostas íngremes e rochosas usando buracos e fendas como abrigos. Na Região de Magalhães, seu tamanho populacional é desconhecido. Mas embora se possa encontrar vizcachas tanto no norte como no sul do país, elas correspondem, na verdade, a diferentes subespécies. A vizcacha, que pode ser encontrada em San Pedro de Atacama, na Região de Antofagasta, é a chamada vizcacha comum (Lagidium viscacia), enquanto a que pode ser vista em setores como Torres del Paine ou cerro Guido, é a vizcacha da Patagônia ( Lagidium wolffsohni). Ambas as subespécies são classificadas na categoria de conservação como vulneráveis.

Condor

Cóndor©f3nc0r3

Esta ave emblemática da cordilheira dos Andes é encontrada em todo o território chileno, entre Arica e Cabo de Hornos. Ele é gregário, mas é comum vê-lo planejando apenas nas alturas, ou em grupos de dois ou três. Suas áreas de repouso e nidificação são facilmente reconhecíveis pelo rastro de fezes brancas deixadas nas rochas.

Eles ocupam dormideros coletivos em locais rochosos chamados buitreras, que oferecem proteção e aqueles que geralmente retornam periodicamente, e geralmente se aninham dentro de pequenas cavernas em penhascos. É um pássaro carniceiro e muito raramente ataca animais vivos, escolhendo neste caso animais jovens ou doentes ou moribundos. Muitas vezes você pode dizer quando um puma caçou um guanaco por exemplo, apenas vendo os condores, já que eles voam em círculos sobre o cadáver, alertando os outros, até que finalmente descem para comer.

Flamenco chileno

Flamencos

Um flamenco na Patagônia? Assim é. Embora seja geralmente associado a esta espécie a áreas mais desérticas nas terras altas do norte do Chile, na verdade o flamingo chileno (Phoenicopterus chilensis) ocupa todo o território nacional, mas se concentra no norte onde se reproduz. Em San Pedro de Atacama você pode ver o flamenco chileno, acompanhado pelas outras duas espécies de flamingos que habitam o país (Andino e de James) em lugares como a Reserva Nacional Los Flamencos.

No extremo sul austral, na Região de Magalhães, a população é numerosa na primavera e no verão, embora só se aninhe na Patagônia argentina. É comum encontrá-los em setores como a Laguna Amarga, no Parque Nacional Torres del Paine, e há também uma grande população de flamingos no vale Chacabuco, na Região de Aysén. Eles habitam áreas de águas rasas, doces e salgadas, como lagoas, salinas ou estuários, e seus ninhos são como cones sem pontas feitas de barro. É considerada uma espécie ameaçada, sendo a extração de ovos, extração de água, caça e mineração, os principais perigos enfrentados.

Zorro culpeo

Zorro Culpeo©Rodrigo Basulto

É a maior raposa do Chile e pode ser encontrada em todo o país desde o nível do mar até 4.500 metros acima do nível do mar, entre Arica e Tierra del Fuego. As raposas são caçadores oportunistas e se alimentam de pequenos mamíferos, como lebres, camundongos e outros roedores, como degú e vizcacha, bem como pássaros e frutas, como molle e peumo. Em geral é um animal solitário e pode ser observado durante o dia. Vive em diferentes habitats, desde agrestres e terrenos montanhosos acima da linha de florestas até vales profundos e desertos abertos, pampas ou florestas temperadas.

Puma

Pumas©Nicolás Lagos

Ao pensar em onças, provavelmente a primeira coisa que vem à mente é o Parque Nacional Torres del Paine, um destino reconhecido por abrigar uma das maiores populações de onças do país. Mas a verdade é que este felino pode ser encontrado em quase todo o território do Chile continental desde o limite norte com o Peru até o Estreito de Magalhães.

Em todo o território a dieta deste, o maior carnívoro do país, varia bastante de acordo com a disponibilidade de presas. Enquanto na região sul da Patagônia, a sua principal dieta compor o guanaco e a lebre europeia e outros carnívoros, como gambás e raposas, para os contrafortes e planaltos do norte do Chile, se alimenta principalmente de camelídeos selvagens como vicunhas e guanacos, e domésticos como lhamas e alpacas, ao mesmo tempo que também consomem aves de zonas húmidas como a tagua gigante e o piuquén. O seu tamanho varia também: na zona centro sul por exemplo, as onças geralmente não exceden 35 a 40 kg e 1,5 m de comprimento, ao passo que em Aysén e Magalhães indivíduos capturaram pouco mais de 100 kg e quase 2,5 m de comprimento.

Guanaco

Guanaco©Matthew Peoples

Protagonista recorrente nas fotografias da Patagônia, o guanaco pode ser encontrado em quase todo o território chileno. É comum encontrá-lo em desertos, moitas e estepes desde a área pré-cordilheira da região de Arica e Parinacota, até a ilha da Tierra del Fuego e Navarino. Os guanacos são geralmente encontrados em grupos que consistem de um macho dominante e várias fêmeas ou machos não-reprodutores ou idosos. Muitas vezes é confundido com a vicunha, outro ungulado que habita o território chileno, mas a diferença entre os dois é que o guanaco é maior, tem um rosto mais longo e escuro e não tem o tufo branco no peito.

Esta espécie é considerada em Perigo de Extinção em suas populações no norte e no centro do Chile, uma vez que as populações estão fragmentadas e em declínio e vulneráveis na zona austral.

Águila mora

Águila©Michael Jansen

Também conhecida como a águia chilena, a águia mora (Geranoaetus melanoleucus) está associada à cordilheira dos Andes e no Chile pode ser encontrada em todo o território, até o arquipélago do Cabo de Hornos.

Alimenta-se de pequenos roedores, coelhos, lebres, outras aves, répteis e insetos, embora na Patagônia seja mais comum as lebres e até raposas e raposas jovens serem capturadas. Eles perseguem suas presas do ar e, para caçá-las, caem sobre elas.

No país, eles geralmente se aninham em penhascos e árvores altas, e nas áreas do norte do país, também em cactos.

Subscreva a explora News. Receba nossas notícias todos os meses.