Para utilizar las funcionalidades completas de este sitio es necesario tener JavaScript habilitado. Aquí están las instrucciones para habilitar JavaScript en tu navegador web.

A história sem fim Outono no Parque Nacional Da Patagônia

Por Guy Wenborne

Otoño en Parque Nacional Patagonia

É o fluxo evidente do tempo, um ciclo de vida constante, marcado pelo pulsar das estações, o pulsar da vida e da morte no vale do Parque Nacional Patagônia. Uma história que parece já contada, mas que sempre tem um tom diferente à medida que você mergulha em sua profundidade.

O outono é a época da calma, quietude e contemplação. É tempo se guardar e descansar, de desacelerar o ritmo frenético, depois da explosão de vida que as duas estações anteriores representaram, antes de entrar na intimidade do inverno.

A evidência cromática é a mais bela e palpável desta época. Olhar de perto, como um radar tridimensional, detectando os possíveis ângulos de visão, conectando tanto as vistas gerais com os close-ups, quanto os detalhes mais sutis, é o que me mantém alerta e apaixonado pela luz da paisagem. É aí que me encontro pleno e feliz.

Em um vale sombreado pela falta de horas de sol desliza um brilho tímido, uma luz quente, com a medida certa de brilho para ser bonita e voluptuosa o suficiente para permanecer elegante.

A mais óbvia e palpável é a mudança de cor nos nothofagus antartica e nothofagus pumilo. Árvores que podem atestar a dureza do clima, em cujos braços contorcidos estão gravadas as derrotas e a sobrevivência.

Identifico cada um deles como personagens únicos, com personalidade própria: uns felizes, outros durões, trabalhadores, ótimos, meio vivos ou meio mortos. Seja qual for o caso, seu futuro é projetado em belos esqueletos brancos, monumentos às suas glórias passadas.

Otoño en Parque Nacional Patagonia

Árvores nostálgicas que homenageiam o verão recente, incendiando sua folhagem e mudando sua química de clorofila de verdes frios para as cores quentes do fogo outonal.

Cada uma dessas lengas e ñires escolhe seus tons em seu tempo e turno: amarelo, laranja, salmão, vermelho, roxo, ocre, limão, marrom, violeta, magenta e infinitos tons de chamas paradas. Nas alturas são os primeiros, roxo-avermelhados, que soltam as folhas para acarpetar o chão e se integram como uma nova camada de substrato vegetal que se entrelaça com troncos de então e plantas de agora.

Os primeiros mantos de neve caem, que derretem rapidamente na parte inferior do vale, mas essas camadas brancas, que atingem as montanhas mais altas, permanecem nas encostas sul das colinas colossais. São as primeiras pinturas que mancham esta parte da geografia com a ausência de cor. Choques frios que aceleram as mudanças na folhagem.

Na vegetação rasteira, a neve derrete suavemente para se incorporar como umidade no solo e sinalizar ao sistema micelial que é hora de florescer, esporular, despertando o reino dos fungos, uma rede de redes, abaixo do solo. Em poucos dias os cogumelos aparecerão rapidamente, sozinhos ou em família, todos conectados e em ciclo perfeito.

Se o outono é o fim ou o início do ciclo, isso não importa, é apenas uma batida cíclica constante que acontece com vitalidade, é a vida em sua forma mais saudável e natural.

Presenciar esse processo me emociona, me energiza, me ativa e me fascina retratar os aspectos visuais cromáticos desse pequeno momento, de um constante fluxo cíclico das estações do ano em um território que está em processo de criação.

Sou grato por estar naquele preciso momento, testemunhando uma luz que cai em cena para recontar uma história sem fim.

 

Obrigado natureza

Obrigado família Tompkins

Obrigado Explora

Guy Wenborne

[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]