Héctor Vergara desenha nossa nova lista de vinhos.
Noticias
abril 25, 2018

Master Sommelier Héctor Vergara:”O que tem um sentido de pertença, sem dúvida, tem um valor acrescentado”

Vinhos chilenos, com um sentido de origem e de excelente qualidade, são algumas das características que os vinhos da nova carta do explora têm em comum. Uma seleção original e variada, feita por Héctor Vergara o único Master Sommelier da América Latina, com o objetivo de convidar nossos viajantes a descobrir o território chileno através desta bebida.

Héctor Vergara, Master Sommelier

“A pessoa que vem para Torres del Paine ou Atacama, quer ter uma experiência com o que e nosso. Não tem graça alguma, por exemplo, oferecer-lhe um foie gras da França porque já o viram e provaram em outros lugares “, diz Vergara, justificando por que nossa carta inclui exclusivamente vinhos chilenos, que abrangem uma grande parte do território, do norte para o sul e do mar para as montanhas, e castas como Sauvignon Blanc, Sauvignon Gris, Pinot Noir, Cabernet Sauvignon e a variedade insigne chilena, o Carménère, para citar alguns.

Além de serem chilenos, todos os vinhos desta seleção têm, de acordo com Vergara, uma particularidade. “Neste negócio, há uma quantidade de vinho que é bom, sobre a qual não darei mais explicações, direi que é bom, que me acompanha nas refeições, mas não posso dizer muito mais. Há uma outra quantidade de vinhos, por outro lado, que tem sentido de pertença a um lugar, do qual é possível contar uma história; e fizemos todo o possível para traduzir isso na carta.

Para esse especialista, o sentido de origem é uma tendência mundial. “Isso não acontece apenas com o vinho, também acontece com a comida, com a música, com a arte, com muitas coisas. O que tem sentido de pertença, sem dúvida, tem um valor acrescentado “.

No Chile, esta tendência acompanhou a redescoberta das castas ancestrais do Vale do Maule (VII sétima região do Chile) e castas que não foram valorizadas e que agora revivem como o Carignan e o Pipeño, que foram incluídas na nova carta de vinhos. Como explicado pelo Master Sommelier, “esta tendência também tem um sentido social muito importante porque se está pagando um preço mais alto aos pequenos produtores”.

Uma viagem às origens do vinho no Chile

A escolha do Carignan e do Pipeño – o vinho que é oferecido durante nossas explorações e os Quinchos – tem a ver com a história por trás dessas castas.

O Aupa Pipeño é um blend de Carignan e uva País, uma casta que chegou ao Chile com os jesuítas no século XVI – quando o espanhol e fundador da cidade de Santiago, Pedro de Valdivia escreveu a famosa carta “castas e vinhos para evangelizar “-, conta o especialista anedoticamente. “Eles precisavam de vinho para beber, mas também para a missa”, continua ele e acrescenta: “A uva País é a uva com a qual o primeiro vinho foi feito no Chile e, portanto, é um vinho que tem raízes. A origem do vinho nasce aí.” Em relação às suas características, Vergara compara esse vinho a um Pinot Noir, “porque tem menos cor, porque a casca da uva é mais fina e o corante da uva é mole. É leve, tem 12 graus, 12 e meio, enquanto os outros vinhos têm 14 e 15 “.

E o Carignan chegou ao Chile no início do século XX, importado da Espanha pelo governo chileno para ajudar a uva País a ter mais cor. Inicialmente, foi plantada principalmente na área do sequeiro costeiro do Vale do Maule e depois chegou a Concepción. “Essa uva na Espanha e na França é considerada uma uva de segunda ou terceira qualidade, mas quando eles degustam nosso Carignan eles ficam surpresos, porque não concorda com o de lá e isso é porque aqui ele é produzido em pequenas quantidades e exposto a outras condições geográficas. Geralmente ocorre em áreas próximas à cordilheira da Costa “, explica Vergara, convidando os viajantes a experimentar o Orzada Carignan de nossa carta.

Pequenas produções e exclusividade

Outra característica que o especialista destacou como comum aos vinhos na carta foi a exclusividade. Do seu ponto de vista, que algo seja exclusivo “não passa por ser algo inatingível para as pessoas, mas é algo de pequena produção, que você não vai encontrar em qualquer lugar e acima de tudo é qualidade.”

Nesse sentido, Cipreses Sauvignon Blanc de Casa Marín é um claro exemplo de que esta carta também se destaca pela sua qualidade. “Eu não acho que há outro vinho mais premiado do que esse”, diz Vergara para se referir ao que é considerado o melhor Sauvignon Blanc no Chile. Um vinho produzido em Lo Abarca, a 4 quilômetros do Oceano Pacífico, com notas de frutas brancas, notas cítricas e sugestões minerais próprios de sua proximidade com o mar, e é que os vinhos, como diz o Master Sommelier, dão conta do lugar onde eles foram produzidos. “Um vinho pode fazer você viajar, sonhar e leva-lo para outros lugares. É uma aquarela que tem cores, tem aromas e tem sabores que o transportam para um lugar “, conclui o Master Sommelier.

Subscreva a explora News. Receba nossas notícias todos os meses.