Dia Int. da Mulher: Mulheres defensoras do meio ambiente
Noticias
março 8, 2018

Dia Internacional da Mulher: Quatro mulheres defensoras do meio ambiente

Seja, lutando para evitar o desmatamento, criando áreas de conservação ou defendendo os direitos dos animais, essas mulheres dedicaram parte de suas vidas a proteger o meio ambiente. Neste Dia Internacional da Mulher, queremos compartilhar sua história e destacar seu trabalho.

1. Kristine McDivitt Tompkins (1950- …) – Uma rede de parques nacionais para a Patagônia

Kristine Tompkins

Créditos: Adventure Journal

 

Esta empresária e conservacionista de origem americana é acima de tudo uma amante da natureza. Em 1993, ela se casou com o empresário Douglas Thompkins, e juntos criaram uma rede de Parques Nacionais na Patagônia no Chile e na Argentina, potencializando assim a preservação e conservação ambiental da área.

Após a morte de Douglas em 2015, ela continuou o legado dos dois, a cargo de “Conservação Thompkins”. Em 29 de janeiro de 2018, Kristine McDivitt Thompkins e a presidenta do Chile, Michelle Bachelet concretizaram uma promessa que fizeram no ano passado: doar mais de 400.000 hectares de suas terras preservadas e restauradas em troca do que o governo somasse terras adicionais para designar novos parques. Com isso, as áreas de Parques Nacionais chilenas cresceram quase 40%, expandindo assim as áreas protegidas para pumas, condores, flamingos e espécies de cervos ameaçados de extinção.

Juntamente com os parques já existentes, foi estabelecida uma rede que se estende por 4,5 milhões de hectares na Patagônia chilena, mais de três vezes maior que a extensão conjunta dos parques americanos Yosemite e Yellowstone.

2. Wangari Muta Maathai (1940-2011) – Abaixo com o desmatamento da África

Créditos: Greenpeace

 

Esta mulher de origem queniana foi uma ativista política e ambientalista que dedicou sua vida a proteger as florestas da África e os direitos das mulheres. Em 1977, ela fundou o Movimento do Cinturão Verde que, desde a sua criação, conseguiu plantar mais de 50 milhões de árvores e o treinamento de milhares de mulheres para que elas possam obter renda da silvicultura e apicultura. Graças a essa fundação, em 1986 ela ganhou o Prêmio Nobel Alternativo também conhecido como o Prêmio da Sustentabilidade. Em 2004, ela se tornou a primeira mulher africana a receber o Prêmio Nobel da Paz por sua “contribuição para o desenvolvimento sustentável, a democracia e a paz”.

3. Jane Goodall (1934- …) – Por a defesa dos chimpanzés e outros animais

Créditos: Mark Schierbecker

 

A inglesa Jane Goodall é considerada a maior especialista em chimpanzés do mundo. Devemos a ela descobrir o uso de ferramentas, guerra ou as diferenças culturais nesses primatas. Esta mulher dedicou mais de 55 anos ao estudo e proteção dos chimpanzés, que lhe valeu mais de 50 títulos honoríficos e reconhecimentos. Em 2002, ela foi nomeada mensageira de paz pelas Nações Unidas e em 2004, ela foi reconhecida como uma Dama do Império Britânico. Hoje em dia, ela fica longe do trabalho de campo, no entanto, o seu ativismo a favor de uma atitude mais tolerante em relação aos animais e o meio ambiente ainda está viva nela e através da sua fundação o Instituto Jane Goodall.

4. Rachel Carlson (1907- 1964) – Consciência pela vida selvagem e o ecossistema

Rachel-Carson

Esta mulher foi uma biologista e conservacionista americana cujo trabalho contribuiu para a ativação da consciência ambiental moderna. Em 1962, ela publicou sua obra mais famosa, “Silent Spring”, através da qual ela procurava aumentar a conscientização sobre os efeitos nocivos dos pesticidas na vida selvagem e no ecossistema. Seu livro se tornou uma referência para novos estudos e motivou a criação do movimento ambiental. Tanto foi o impacto de seu trabalho que muitos consideraram que “sem o livro de Rachel Carson, hoje certamente Greenpeace não existiria”.

Subscreva a explora News. Receba nossas notícias todos os meses.